segunda-feira, 19 de abril de 2010

Professores estaduais entram em greve


No último dia 8 de abril, a Assembleia Estadual do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (SindUte) indicou greve, por tempo indeterminado, dos profissionais da Rede Estadual de Ensino. Até o fechamento desta edição, em São João del-Rei, cerca de 50% dos professores haviam aderido ao movimento. A paralisação parcial acontece em função de melhores salários e condições de trabalho.

As principais escolas são-joanenses em greve são: E.E. Cônego Osvaldo Lustosa, E.E. Dr Garcia de Lima e E.E. Governador Milton Campos, mais conhecido como Polivalente. Elas estão com seu efetivo parcialmente parado, em torno de dois turnos cada. Como estas são as maiores escolas estaduais da cidade, a greve atinge um grande número de alunos.

“A greve é realidade. Boa, má, forte ou fraca; ela é realidade”, declarou a diretora do SindUte, Maria Nazaré dos Santos, conhecida como Fufa. Ela disse, ainda, que considera o vencimento atual dos professores uma vergonha, pois alguns recebem em torno de um salário mínimo. “Vamos construir a greve pouco a pouco, unindo a classe”, afirmou Fufa.
Adriana Leitão, diretora da Sub-sede do SindUte na cidade, reforçou a posição da classe. “Vamos estudar estratégias com a intenção de que o tempo de greve se perpetue e o número de professores que aderiram aumente”, disse Adriana.
Alunos
Fufa ressalta que os professores estão lutando por melhores condições de trabalho e não querem prejudicar o aluno. “A greve, em momento nenhum, é contra o aluno. Ela é contra qualquer governo que estiver atuando. Acho que o aluno e o professor merecem respeito, têm que ter sua jornada cumprida. Mas não significa que o professor tem que aceitar esses salários miseráveis. Temos que desfrutar do direito à greve para buscar a valorização profissional. Só assim se vai respaldar uma educação de qualidade”, argumentou.

Reivindicações
Adriana Leitão expôs que os salários da classe não estão sendo cumpridos, sendo que alguns profissionais não têm como piso nem o salário mínimo. “Lutamos para que o piso salarial do professor seja cumprido. Desde 10 de janeiro de 2010, deveria ser R$ 1.312,00, seguindo a tabela e os planos de carreira. O governo mineiro prometeu e nós estamos esperando. Alguma má vontade existe com a educação”, comentou.

Dez por cento
Adriana Leitão falou, ainda, que os 10% de reajuste concedidos por Aécio Neves não contemplam a categoria como ela merece. “Esses 10% não são um ganho real. Ele não é dado como vencimento básico, no piso salarial do professor. Ele faz parte de uma parcela regulamentar do magistério que depois tem um desconto. Isso não representa um ganho maior do que R$ 34,00”, elucidou.

Os professores
O professor de História e de Sociologia da Escola Estadual Cônego Osvaldo Lustosa, Geraldo Guido, está em greve. “Temos uma defasagem salarial muito grande, que passa de 10 anos. A perda salarial chega a quase 100%. Queremos que o piso salarial seja cumprido. Os 10% dados pelo Governo não correspondem às perdas salariais que tivemos até hoje”, disse o professor.

Rodrigo Sampaio Pereira, professor de Música do Conservatório Estadual Padre José Maria Xavier, não está em greve e afirmou que, antes de se fazer a greve, deveria haver maior mobilização. “Sinto-me desestimulado com essa greve. Acho que vamos fazer apenas mais uma greve, porque a classe ainda está desarticulada. Deveria se fazer primeiro uma mobilização interna, com cada escola. Não sou contra a greve, mas acho que deveríamos aprender com os erros de outras greves”, afirmou.

"Minha terceira matéria com o pessoal do Sindi-Ute. Dessa vez, o foco são os professores e o ensino estaduais. A reivindicação deles precisa ter grande acolhimento da sociedade, porque o caso é gravíssimo. Os docentes tem um piso de 369 reais, que chega ao mínimo com a parcela de reajuste. As condições de trabalho são péssimas e a classe não consegue ter sua manifestação reconhecida socialmente por causa do silêncio que Aécio impõe à mídia. A falácia dos 10%, citada pelo Estado de Minas como 'bondade do governador' significa um aumento real de 30 reais para os professores. As matérias mentem ao dizer que o piso salta para 935 reais, porque o estado de Minas Gerais não cumpre a Lei Federal do piso dos professores Estaduais. Em SJ, os professores tentam reunir 50% da classe em torno da greve. Porém as Assembleias raramente contam com 100 pessoas. Outras cidades como Juiz de Fora e BH têm cerca de 90% dos professores parados. A mobilização em SJ precisa crescer muito para conseguir chegar a esses números. Isso não acontece, muitas vezes, pela desinformação e medo dessa classe que é massacrada pelos gestores estaduais"

20 comentários:

  1. Estou achando que o movimento está sendo pouco divulgado na mídia. porque isso está acontecendo?
    NÃO ESTAMOS PERDENDO OPORTUNIDADE DE MAIOR ADESÃO EM FUNÇÃO DA AUSENCIA DE DIVULGAÇÃO.
    vALMIRA - E.E.CORONEL JONAS CÂMARA - ITAMARANDIBA - MG

    ResponderExcluir
  2. Valmira, vc está correta. O movimento fica fraco por causa da fraca divulgação. Isso acontece porque muitas vezes, para o meio de comunicação não é interessante fazê-la. Para não perder as benesses concedidas pelo Executivo.
    Além disso,o problema esbarra em muitas dificuldades que as mídias vivem no interior: elas não conseguem ter liberdade econômica, por isso se vinculam ao poder público. A desvalorização da mídia também impede que ela tenha uma redação grande e capacitada para apurar tais temas.

    ResponderExcluir
  3. Olá!

    Amigo blogueiro, veja matéria e fotos sobre a manifestação dos professores de todos os municípios do Ceará, nas ruas de Fortaleza, pelo piso e por um plano de carreira decente, ////acessar em: www.valdecyalves.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. amigos a imprensa esta nas mãos do governo e não irá divulgar nada em seu desfavor, por isso é necessários passeatas e que chamem a atenção a nivel nacional de preferência a nivel internacional, a verdade é triste mas é esta a realidade do brasil no momento, basta iniciar uma greve que se consegue uma limiar tornando-a proibida e multando os sindicados em valores exorbitantes. camilo de almeida, belo horizonte.

    ResponderExcluir
  5. Acho justa a luta dos profissionais da educação. Força e coragem para continuar. Não desistam! a classe tem que se mater unida.A sociedade precisda respeitar o professor.

    ResponderExcluir
  6. Temos que continuar a luta, não dá para desistir agora... greve é um direito nosso! Esta na hora da sociedade saber dos nossos descontentamentos e desesperanças!

    ResponderExcluir
  7. Sou professora há 23 anos, sinto-me desistimulada diante de tanta negligência deste governo,o descaso é impressionante!!!
    Será que ele não lembra do tempo de estudante, ou ele é autodidata? A equipe tem de continuar em greve sim, isto é direito nosso, fico triste por necessitar de uma atitude assim para reivindicar um piso salarial apenas de 1.312,00, isto é uma vergonha! SERÁ QUE O GOVERNO SOBREVIVERIA SOM UM SALÁRIO DESSE?Tenho fé que vamos conseguir.Unamo-nos, só assim seremos atendidos.

    ResponderExcluir
  8. Sou professora há mais de 20 anos, moro em Rio Vermelho, estou participando ativamente deste movimento de greve, vamos companheiros,só unidos é que vamos conseguir nosso objetivo. A hora é agora ,ou nunca mais .

    ResponderExcluir
  9. Sou professora há mais de 15 anos em Abre Campo, também estou participando da greve. O que mais me deixa indiguinada, é o descaso do nosso Governo Estadual que tenta convencer a sociedade que a "educação" em MG é exemplo.Que os profissionais da educação recebe os melhores salários do país. Sr. Governador,na década de 50, uma educadora ganhava um salario igual a um juís de direito. E atualmente R$369,00, quero ver o governador viver como o salário de um educador em MG. Isto é VERGONHOSO!!!

    ResponderExcluir
  10. Verdades da Profissão de Professor
    Ninguém nega o valor da educação e que um bom professor é imprescindível. Mas, ainda que desejem bons professores para seus filhos, poucos pais desejam que seus filhos sejam professores. Isso nos mostra o reconhecimento que o trabalho de educar é duro, difícil e necessário, mas que permitimos que esses profissionais continuem sendo desvalorizados. Apesar de mal remunerados, com baixo prestígio social e responsabilizados pelo fracasso da educação, grande parte resiste e continua apaixonada pelo seu trabalho, sem lutar pelos seus direitos.
    A Greve é um convite para que todos, pais, alunos, sociedade, repensemos nossos papéis e nossas atitudes, pois com elas demonstramos o compromisso com a educação que queremos. Aos professores, fica o convite para que não descuidem de sua missão de educar, nem desanimem diante dos desafios, nem deixem de educar as pessoas para serem “águias” e não apenas “galinhas”. Pois, se a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela, tampouco, a sociedade muda.
    (Paulo Freire).
    Professora Marilucia Cantuaria Camanducais Minas Gerais
    Caros colegas depois de saber bem sobre o assunto greve, acho esta é a hora de união, discernimento, coerência e ajuda, sem risco nunca conseguiremos nada, muito menos, mudar esta situação, a Greve é Legal, ninguém pode ficar de fora.
    Eu Marilucia Cantuaria da Silva não vou ficar olhando nossos colegas lutar por nós, estou em Greve, Preciso da ajuda de vocês, para depois de cabeça erguida poder dizer que sou EDUCADORA.

    ResponderExcluir
  11. Vejam só a desvalorização de um professor : Tenho dois cargos,um inativo (PEB 3 D )e com outro ativo (PEB 3 B), recebo pelos dois, pouco mais de 3 salários mínimos , sendo que há 15 anos atrás recebia 12 salários mínimos .Que diferença !!! Quanto desvalorização !

    ResponderExcluir
  12. sabemos que os professores precisam de aumento, inclusive minha mãe é professora mas nossos filhos estão muito prejudicados.

    ResponderExcluir
  13. volta queridos professores estamos prejudicados

    ResponderExcluir
  14. Devia ter uma lei no brasil para governadores e deputados, ter o salarios iquias ao do professores, vamos ver se els iam dizer que ganham bem, são vaga bundo, não trabalham, e ganham rios de dinheiro e constroem castelos as nossas custas, até quando vamos aceitar isso.

    ResponderExcluir
  15. Boa tarde, sou Paulo Henrique professor da rede estadual de Belo Horizonte, e gostaria de deixa a minha insatisfação com o jornalismo da Record (Balanço Geral) por não da muita importância a greve das escolas estaduais de Belo Horizonte, será que vocês é mesmo manipulado por Aécio Neves? Já sabemos a respostas.
    Gostaria de dizer ao Mauro Tramonte que o ibope dele é dos alunos que esta sem estudar no momento e dos professores que estão na rua pedindo pra ser reconhecido com um profissional de muita competência na sociedade, e não de políticos que manipula vocês.
    Também estou mandando isso porque vocês tem muito tempo de jornal no dia-dia e não passa o que realmente tem que ser mostrado.

    Não fico grato ficarei se vocês ler isso no jornal ao vivo, e começar a da Importância nas coisas que esta gritante que é a greve dos professores de Belo horizonte.

    Você não é o matador?

    ResponderExcluir
  16. Boa tarde, sou Paulo Henrique professor da rede estadual de Belo Horizonte, e gostaria de deixa a minha insatisfação com o jornalismo da Record (Balanço Geral) por não da muita importância a greve das escolas estaduais de Belo Horizonte, será que vocês é mesmo manipulado por Aécio Neves? Já sabemos a respostas.
    Gostaria de dizer ao Mauro Tramonte que o ibope dele é dos alunos que esta sem estudar no momento e dos professores que estão na rua pedindo pra ser reconhecido com um profissional de muita competência na sociedade, e não de políticos que manipula vocês.
    Também estou mandando isso porque vocês tem muito tempo de jornal no dia-dia e não passa o que realmente tem que ser mostrado.

    Não fico grato ficarei se vocês ler isso no jornal ao vivo, e começar a da Importância nas coisas que esta gritante que é a greve dos professores de Belo horizonte.

    Você não é o macetado?***

    ResponderExcluir
  17. nao podemos parar essa luta

    ResponderExcluir
  18. em BH quinta feira com reportagem ou nao estarei la e colegas nao desistam

    ResponderExcluir
  19. Eu acho que eles deviam voltar pra escola pois os alunos ficam prejudicados e eles também.
    Daqui uns dias estarão os alunos sofrendo na escola ate nas ferias isso é se eles nao perderem esse ano que eu acho bem provavel!
    Pense nisso e vejam o que vai ser melhor para todos pois poderão se arrepender no fulturo!!!
    Essa é a minha opinião!

    ResponderExcluir
  20. Andressa Cristina aluna da escola estadual governador milton campos
    Eu acho essa greve muito injusta pq os professores fazem greve e quem fica prejudicado somos nos , pq enquanto eles tavam de greve a gente tava estudando , ai eles vem com o papo q vai ser melhor pra gente e pra eles , esses professores q fizeram greve vai nos prejudicar demais .
    é vcs fazem a greve e nos q pagamos o pato néh ?!
    agora nos vamos ter sexto horario , entrar na escola meio dia pra sair as 18:20 hrs , e teremos aula no sabado isso é muita sacanagem. vai nos prejudicar no ano q vem e se nao deixar a gente sem as ferias de janeiro ,entao professores fala a verdade neh vcs tao de brincadeira com a gente neh , e depois tem a cara de pau de entrar na sala sorrindo e falando mal do governo o mais errado aqui sao vcs q estao prejudicando a gente , sera q vcs nao veem q estamos prejudicas com esses 102 dias de greve ??
    fala serio msm vcs acabaram coma gente e agora q voltou ficam jogando materia e tudo q vcs dao vale nota ne , pq tipo vcs ja formaram e tals e agora nao pensam q a gente ta na pior por causa disso queria ver se fosse com os filhos de vcs rhum '
    aaaaaf's , eu to com muita raiva de vcs principalmente da diretora deborah q entra na sala chingando por nos estarmos falando sobre a greve , e fala ai no q adianto essa greve em nada ne ?!
    bom acho q nao tem jeito com vcs msm sei q varios professores estao com raiva de mim , mais faze oq eu falo oq eu penso .

    ResponderExcluir